Dia de Campo apresenta as vantagens do Sistema Integração Lavoura-Pecuária em Itiquira-MT

Cerca de 570 pessoas visitaram a fazenda Palmares, em Itiquira-MT, para conhecer na prática o processo de implantação do Sistema Integração Lavoura-Pecuária (ILP). O dia de campo integrou a programação do 9º Simpósio Nutripura, que abordou os desafios e oportunidades ao implantar esse sistema produtivo. O evento ocorreu no último dia 29 de maio e contou com a presença de produtores, professores, pesquisadores, especialistas e estudantes.

De acordo com o proprietário da fazenda, Marciano Migliavacca, o processo de implantação do sistema aconteceu há alguns anos com o apoio da equipe Nutripura. “Para nós produtores, o processo não é fácil. Mas traçamos um planejamento estratégico de cinco anos e definimos os passos e metas para cada fase. É algo que nos exige muito comprometimento e algumas decisões são difíceis, mas trabalhando juntos e de forma correta já conseguimos ver bons resultados”.

Ao longo de todo o dia, os grupos se revezavam em diversas bases espalhadas em pontos estratégicos na fazenda para conhecerem melhor algumas etapas e informações importantes para o sucesso da ILP. De acordo com o pesquisador da Fundação MT, Leandro Zancanaro, ao explicar como a agricultura se beneficia com a pecuária, nada dá mais retorno para a soja do que outras culturas antecessoras bem feitas. “Então, a pecuária é uma que permite ganho para a agricultura”, garantiu.

Já o professor da Esalq-USP, Moacyr Corsi, falou sobre os desafios, soluções, resultados e rentabilidade de pastagens intensivas. Segundo ele, é preciso que a intensificação seja realizada com o mesmo nível de pacote tecnológico utilizado na agricultura para que se tenha, efetivamente, uma integração.

“Por outro lado, se intensifico as duas atividades ao mesmo nível, a pecuária mais intensificada produz retorno econômico semelhante ou até melhor ao da agricultura. A integração só tende a desenvolver e a aumentar, desde que as atividades e níveis tecnológicos nas duas atividades sejam comparáveis. Dessa maneira, exploraremos melhor o solo com maior produtividade, tanto na agricultura quanto na pecuária, e maior sustentabilidade para todo o sistema. É o melhor dos mundos”.

O professor da Universidade do Nebraska, Galen E. Erickson, foi um dos destaques do Dia de Campo ao apresentar dados de 18 anos de pesquisa com o tema “DDG: como usar de maneira a buscar o máximo de eficiência?”. “Eu tenho discutido o uso do DDG e que tipo de uso teria aqui no Brasil. O meu objetivo é sempre oferecer resultados, baseados em ciência, que possam ter impacto aqui. Nessa palestra, dividi os nossos dados de pesquisa de maneira compreensível para que os produtores possam usá-los para tomar uma melhor decisão na utilização”, pontuou.

O Dia de Campo também contou com palestras do diretor técnico da Nutripura, Luciano Resende, sobre como a pecuária se beneficia com a agricultura, do professor da Esalq-USP, Flávio Portela, com o tema “Como a ferramenta Canivete Nutripura Confinamento aumenta a lucratividade no confinamento?”, e do professor da Esalq-USP, Luiz Gustavo Nussio, sobre “Conservação de forragens – manejo pós colheita. Como minimizar perdas e maximizar a eficiência no uso de silagens?”.

Segundo o organizador do Simpósio, Lainer Leite, o dia de campo contribuiu para a assimilação de toda a teoria que os participantes vivenciaram durante o simpósio. “A Fazenda Palmares começou a fazer a integração há mais de cinco anos, se propôs a fazer bem feito e está colhendo muitos resultados. Hoje se vê produção, equipe alinhada e rentabilidade no processo. E não está totalmente estabelecido e consolidado, porque sabemos que tem coisas para melhorar. Temos dados que mostram que a agricultura está evoluindo muito e que a pecuária tem mudado rapidamente e exigido uma gestão mais profissional. E o nosso objetivo foi mostrar na teoria e na prática o tema, além de mostrar alguém que está no caminho certo, satisfeito e ganhando dinheiro com a ILP”, avaliou Leite.

O 9º Simpósio Nutripura ocorreu em dois dias, com mais de 550 participantes por etapa. “É um evento tradicional do agro e a cada ano ele se fortalece. Para a próxima edição, em 2021, pode-se esperar um evento ainda mais especial, porque será a 10ª edição do simpósio e a Nutripura estará completando 20 anos de atuação”, finalizou Leite.

Fonte: Assessoria

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *