Entressafra e falta de chuvas faz preço do jiló aumentar 75%

Conforme aponta o levantamento semanal realizado pela Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf), o preço do jiló subiu 75% em apenas 20 dias. A falta de chuvas e a entressafra são as causas para o aumento. No início de setembro, uma caixa com 15kg de jiló podia ser comprada no atacado a R$ 40. Já esta semana, o produto saltou para R$ 70.

O pepino e o limão também tiveram alta no valor comercializado na Central de Abastecimento de Cuiabá. A saca de 22kg do limão thaiti era vendida a R$ 65 há 20 dias. Hoje essa mesma quantidade está custando R$ 100. Um percentual de 65% de aumento.

Já o pepino alcançou a marca de 40% de alta no preço em apenas sete dias. De R$ 25, a caixa com 21kg passou para R$ 35.

Em contrapartida a batata e a cenoura, dois itens bastante presentes na culinária do mato-grossense, tiveram redução no preço. A batata está custando 33% a menos, ao preço de R$ 90 a saca com 50 kg, ao invés dos R$ 135, que era comercializada na primeira semana de setembro. Já a cenoura está ao preço de R$ 30, 25% a menos que há uma semana, quando era vendida a R$ 40, a caixa com 22kg.

A cotação de preços dos principais produtos da agricultura familiar é realizada semanalmente, toda terça-feira, a partir das 5 horas, por técnicos da Seaf, Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e Prefeitura de Cuiabá. A pesquisa de preço leva em conta o preço mínimo, mais comum e o preço máximo dos produtos encontrados nas barracas em três horários distintos durante o período matutino.

Além disso, o índice de preço médio dos 48 principais produtos da agricultura familiar em 21 estados brasileiros podem ser conferidos no site http://www.prohort.conab.gov.br/

 

Fonte: Seaf-MT

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *